Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Moro minimiza declarações de Witzel sobre 'abater' quem portar fuzil

'Não parece que a proposta seja essa', disse o futuro ministro da Justiça ao lado do governador eleito do Rio de Janeiro

Marcio Dolzan e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2018 | 13h41

RIO - O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou nesta sexta, 23, que "não parece" que a proposta do governador eleito do Rio, Wilson Witzel, seja matar suspeitos de crimes da forma como Witzel prometeu em campanha, quando defendeu a morte de pessoas que portem fuzis pelas forças policiais.

Moro chegou para um evento no Rio, ao lado de Witzel. Questionado por um jornalista sobre sua opinião sobre a proposta de se criar uma "lei do abate", permitindo aos policiais matarem suspeitos, Moro respondeu, após sorrir para Witzel que "não parece que a proposta seja essa, mas nem existe lei com esse nome".

Depois de eleito, Witzel reafirmou as promessas feitas durante a campanha em entrevista ao Estado. "Se for um ato em confronto, em que o policial está acobertado por uma excludente de ilicitude, não é homicídio, é morte em combate", disse Witzel, eximindo-se de eventual responsabilidade caso um desses atiradores seja processado por homicídio. "Não vai cair no meu colo nada. Vai cair no colo do Estado. O Estado tem de entender que tipo de segurança pública quer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.