Alex Silva/Estadão e Carol Góes/Estadão
Alex Silva/Estadão e Carol Góes/Estadão

Moro e Doria criticam ‘revogaço’ de reformas defendido pelo PT

Presidenciáveis são contrários a propostas analistas por petistas como rever a reforma trabalhista, privatizações e teto de gastos

Levy Teles, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2022 | 18h49

Correções: 08/01/2022 | 18h51

Os pré-candidatos à Presidência da República João Doria (PSDB) e Sérgio Moro (Podemos) criticaram nesta sexta-feira, 7, o “revogaço petista”, que, como mostrou o Estadão, planeja rever a reforma trabalhista, privatizações e teto de gastos caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva volte ao Palácio do Planalto.

“O emprego não voltará ressuscitando leis ultrapassadas, mas sim com crescimento econômico”, disse o governador de São Paulo, em nota. O “revogaço petista”, afirmou Doria, “vai aumentar o desemprego e manter a inflação elevada”. “E com desemprego e inflação altos, quem mais sofre são os mais pobres.” 

Sérgio Moro, por sua vez, contrastou sua proposta de reforma com as dos líderes nas pesquisas de intenção de voto: Lula e Jair Bolsonaro (PL). “Há três propostas postas na mesa da pré-campanha presidencial”, escreveu, no Twitter. “Uma que fará as reformas necessárias ao País (a nossa); outra de um governo que desistiu completamente de implementar reformas (governo atual); e a terceira que quer revogar reformas já consolidadas (PT)”, disse o ex-juiz, que está em viagem pelo Nordeste.

O tucano afirmou que pediu um estudo para o time de economistas da campanha ao ver o que PT está atuando para o que ele chama de “pacote do atraso”. Segundo Doria, o estudo será publicado nos próximos dias. 

Como noticiou o Estadão, o PT planeja imitar a Espanha, que revogou recentemente a reforma trabalhista feita em 2012. A revisão da autonomia do Banco Central é uma das outras discussões que ocorrem entre os petistas. O freio do programa de desestatizações e o fim do teto de gastos são tratados como consenso dentro da campanha do ex-presidente Lula.

“É importante que os brasileiros acompanhem de perto o que está acontecendo na reforma trabalhista da Espanha, onde o presidente Pedro Sanchez está trabalhando para recuperar direitos dos trabalhadores”, escreveu Lula nas suas redes sociais.

Uma ala da sigla defende ainda incluir na lista do “revogaço” a autonomia do Banco Central, aprovado no ano passado pelo Congresso. Essa discussão, porém, está num estágio menos amadurecido. Nomeado pelas novas regras, o atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, tem mandato até 31 de dezembro de 2024.

Correções
08/01/2022 | 18h51

Diferentemente do informado na versão anterior deste texto, o governador João Doria (PSDB) e a senadora Simone Tebet (MDB), pré-candidatos à Presidência, se encontraram em dezembro passado e não nesta sexta-feira, 7. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.