Moro diz que 'frustração' seria 'tudo o que fizemos não ir adiante'

Juiz federal aponta foro privilegiado e loteamento de estatais como falhas legislativas

Eduardo Laguna e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2017 | 12h48

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, em Curitiba, citou nesta segunda-feira, 27, falhas legislativas que, segundo ele, permitem a corrupção, como o foro privilegiado e a falta de barreiras ao loteamento das estatais, como sua maior frustração desde o início da operação, em 2014. "Minha maior frustração seria tudo o que fizermos não ir adiante", disse.

+++ ‘Ideal seria limitar o foro privilegiado’

+++ Gilmar Mendes rebate Moro sobre redução do foro privilegiado

Ao participar de fórum realizado pela Revista Veja, Moro defendeu o que chamou de Plano Real contra a corrupção, referindo-se, disse, a um plano considerado tanto pela direita quanto pela esquerda como bem-sucedido no enfrentamento da hiperinflação.

+++ Privatização atinge loteamento político

O juiz disse que é preciso ir além da redução do foro privilegiado e eliminar por completo essa prerrogativa, inclusive a magistrados. Afirmou também que é preciso criar bloqueios legislativos ao loteamento político das estatais, que levou às indicações políticas que permitiram desvios em empresas públicas como a Petrobrás.

"O que se verifica é a quase completa omissão da classe política em promover medidas dessa espécie", declarou. Segundo Moro, a atuação única do Judiciário é insuficiente para resolver o problema e considerou ser uma grande responsabilidade colocar nas costas da Lava Jato a tarefa de reduzir a corrupção no Brasil. "Eu tinha a expectativa de que o tratamento (dos escândalos de corrupção) não ficasse restrito a cortes da Justiça", disse.

Moro avaliou que as eleições do ano que vem serão uma oportunidade de mudança na política e considerou que, ainda que as agendas econômica e social sejam importantes, o combate à corrupção precisa estar no centro do debate. Disse ter curiosidade sobre o que pensam os potenciais candidatos a respeito do foro privilegiado e do loteamento das estatais. "É preciso que quem postule tenha respostas a essas questões".

Moro reafirmou que não pretende disputar qualquer cargo público porque isso colocaria em dúvida todo trabalho feito por ele até o momento. Disse que uma candidatura seria inapropriada neste momento e que também não vê essa possibilidade ocorrer no futuro.

Mais conteúdo sobre:
foro privilegiado Sérgio Moro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.