Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Moro diz que Bolsonaro tirou Coaf da Justiça porque tinha ‘medo’

Para ex-juiz e ex-ministro da Justiça, presidente, em certo momento do mandato, enfraquecer o combate à corrupção

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2022 | 23h08

O ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) afirmou nesta segunda-feira, 24, que a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça para o Ministério da Economia enquanto ele era ministro foi motivada pelo “medo” do presidente Jair Bolsonaro de que investigações que envolvem sua família chegassem a ele. Segundo o pré-candidato à Presidência, a partir de determinado momento do mandato, Bolsonaro começou a enfraquecer o combate à corrupção.

“O primeiro elemento que revelou isso foi quando teve aquela questão do Coaf (...) que estava no Ministério da Justiça, estava na minha alçada. A gente tinha melhorado o Coaf, aumentado o número de pessoas no Coaf, e teve um movimento para tirar o Coaf do Ministério da Justiça e colocar no Ministério da Economia. Ou seja, o Coaf não podia ficar comigo”, disse Moro durante entrevista ao Flow Podcast. E completou: “O pessoal tinha medo. Sabia que comigo ali não tinha esquema, não tinha negócio.”

Ainda de acordo com o ex-ministro, o presidente chegou a pedir que ele “não atrapalhasse” ao contestar uma decisão liminar no STF que beneficiou um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ)

“O problema é que essa liminar parava todas as investigações de lavagem de dinheiro no país. Parava tudo. E o presidente não queria que a gente não mexesse nisso. E o presidente me disse isso: ‘Moro, se você não vai ajudar, não atrapalha’”.

Flávio foi denunciado ao lado do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz por peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro pela Procuradoria do Rio, que o acusa de desviar salários de funcionários durante os mandatos como deputado estadual.

A suposta apropriação de parte dos salários de assessores pelos políticos foi revelada a partir de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), em reportagem do Estadão em dezembro 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.