Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Moro afirma haver convergência absoluta entre intenções dele e de Bolsonaro

'Objetivo seria sermos firmes contra o crime organizado, a corrupção e a criminalidade violenta', disse o ministro

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2019 | 17h20

BRASÍLIA - O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou nesta quinta-feira, 13, que a sua atuação no combate à criminalidade e à corrupção não é "uma espécie de justiça vingativa", mas uma forma de proteger as pessoas. Ele participou nesta manhã do lançamento do pacto nacional pela implementação do sistema de garantias de direitos da Criança e do Adolescente vítima de violência.

"Quando fui convidado pelo Jair Bolsonaro para assumir o ministério da Justiça e Segurança Pública, houve uma convergência absoluta no que se refere às minhas intenções e às dele, de que o objetivo seria sermos firmes contra o crime

organizado, corrupção e a criminalidade violenta. Para deixar tudo muito claro, tanto a minha visão quanto a do presidente, não é fazer isso por uma espécie de justiça vingativa, embora fazer justiça seja importante. Não evidentemente vingança", disse.

Sem citar diretamente as denúncias de que teria atuado junto aos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, sugerindo que houvesse a inversão da ordem de operações e dando pistas de investigações, segundo publicação do site The Intercept Brasil, Moro afirmou que sua atuação tem o objetivo "de proteger as pessoas e melhorar a qualidade de vida delas". "E no âmbito dessas políticas o mais importante seja trabalhar com crianças e adolescentes que fazem parte dos extratos mais vulneráveis na nossa sociedade", completou.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, também participou do evento. Ao lado de Moro, ele afirmou que o ministro "participa ativamente desse trabalho tão importante de combater a violência em todas as esferas". O STF julgará no dia 25 de junho se Moro foi parcial ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex. A Corte decidirá se anula a decisão.

Participaram do evento também a primeira-dama Michelle Bolsonaro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Educação, Abraham Weintraub, da Cidadania, Osmar Terra e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. De forma discreta, os ministros elogiaram e apoiaram a atuação de Moro à frente da pasta da Justiça.

Após a assinatura do pacto, eles ressaltaram a importância de se aprimorar o combate à violência contra crianças no país. O pacto tem por objetivo prevenir a revitimização de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violências física, psicológica, sexual ou institucional e estabelece o Sistema de Garantias de Direitos da Criança e do Adolescente, com a determinação de diretrizes concretas para a implantação da escuta especializada e o depoimento especial.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que foram registrados cerca de um milhão de casos de violência contra crianças e adolescentes entre 2011 e 2015. "Essa violência é mais frequente entre crianças de 9 a 11 anos e entre crianças negras. Mas esses resultados não devem servir de desalento, eles nos indicam os caminhos a seguir", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.