Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Moreira Franco: próximo presidente será político com trajetória

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência evitou citar nomes, mas reforçou ser preciso 'acreditar na racionalidade'

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2017 | 17h15

BRASÍLIA - Tema levantado por praticamente todos os empresários estrangeiros que pensam em investir no Brasil, o processo eleitoral de 2018 não deverá levar ao Planalto um outsider que mandará pelos ares a trajetória de recuperação da economia. É o que avalia o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Wellington Moreira Franco.

"É preciso acreditar na racionalidade", disse ele ao Estado. "Há um nível de excitação tão grande em função do irracional, do ligeiro, que as pessoas acham que a sociedade caminha para ele." O ministro não citou nenhum pré-candidato.

+++ Câmara aprova MP que garante foro privilegiado a Moreira Franco

"Eu não conheço nenhum caso no mundo em que se tenha conseguido fazer presidente ou primeiro-ministro alguém que não tivesse trajetória política", afirmou. Isso se aplica, inclusive, ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "Ele foi candidato a presidente dos Estados Unidos, era um dos grandes e influentes líderes do Partido Republicano, é um dos ícones do capitalismo americano", listou.

+++ Veja os nomes que podem disputar a eleição de 2018

"Não é um desconhecido." Outro exemplo frequentemente citado, o líder alemão Adolf Hitler fundou um partido e participou de várias eleições até chegar a primeiro-ministro, comentou.

+++ Raquel pede arquivamento de denúncia contra Moreira Franco por ‘farra das passagens’

No Brasil, Jânio Quadros foi vereador, deputado estadual, prefeito, governador e deputado federal antes de chegar à Presidência. Exemplo mais recente, o "caçador de marajás" Fernando Collor de Mello era governador de Alagoas antes de ser eleito presidente. Antes disso, havia sido prefeito e deputado federal. E vinha de uma tradicional família de políticos.

"Esse nível de conhecimento não é privilégio meu", disse o ministro. "As pessoas que se dedicam a pensar, tomar decisões, se informam." Por isso, acredita, o cenário incerto da sucessão presidencial não impediu as grandes petroleiras de participar do leilão de quinta-feira, 26.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.