Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Moreira Franco diz que delação de Funaro foi 'encomenda remunerada' de Janot

'Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava', escreveu o ministro em seu Twitter

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2017 | 17h22

O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, utilizou sua conta no Twitter neste domingo, 15, para criticar a delação premiada do operador financeiro Lúcio Funaro e desqualificar o ex-procurador da República Rodrigo Janot. Na rede social, Franco diz que a delação é "uma encomenda remunerada", após o naufrágio da primeira denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer.

+++ J&F confirma em nota contato entre Funaro e executivo

+++ Funaro cita 'meta de propina' do presidente da Caixa para o PP

Moreira Franco foi citado pelo doleiro, ao lado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, como receptor de dinheiro para facilitar a liberação de recursos do FGTS. Ainda de acordo com Funaro, apontado como o operador de propina do PMDB, diversas operações envolvendo o FI-FGTS renderam vantagens indevidas a ele e a políticos peemedebistas.

+++ Assista aos vídeos da delação de Funaro

"Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar Michel Temer, após a derrota na 1ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha", afirmou Franco pelo Twitter, em referência à segunda denúncia da PGR contra o presidente da República, ainda sobre o comando de Janot. "Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava", acrescentou o ministro, ao citar as denúncias realizadas em delação premiada pelo dono do grupo J&F, Joesley Batista, preso desde o mês passado.

+++ Acordo de delação prevê dois anos em regime fechado para Funaro e multa de R$ 45 milhões

Neste sábado, o advogado do presidente Michel Temer, Eduardo Pizarro Carnelós, atacou o vazamento "criminoso" dos vídeos com depoimentos de Funaro ao Ministério Público. Ele classificou a divulgação da fala do delator como "mais um abjeto golpe ao Estado Democrático de Direito".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.