Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Moreira Franco diz que delação de Funaro foi 'encomenda remunerada' de Janot

'Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava', escreveu o ministro em seu Twitter

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2017 | 17h22

O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, utilizou sua conta no Twitter neste domingo, 15, para criticar a delação premiada do operador financeiro Lúcio Funaro e desqualificar o ex-procurador da República Rodrigo Janot. Na rede social, Franco diz que a delação é "uma encomenda remunerada", após o naufrágio da primeira denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer.

+++ J&F confirma em nota contato entre Funaro e executivo

+++ Funaro cita 'meta de propina' do presidente da Caixa para o PP

Moreira Franco foi citado pelo doleiro, ao lado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, como receptor de dinheiro para facilitar a liberação de recursos do FGTS. Ainda de acordo com Funaro, apontado como o operador de propina do PMDB, diversas operações envolvendo o FI-FGTS renderam vantagens indevidas a ele e a políticos peemedebistas.

+++ Assista aos vídeos da delação de Funaro

"Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar Michel Temer, após a derrota na 1ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha", afirmou Franco pelo Twitter, em referência à segunda denúncia da PGR contra o presidente da República, ainda sobre o comando de Janot. "Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava", acrescentou o ministro, ao citar as denúncias realizadas em delação premiada pelo dono do grupo J&F, Joesley Batista, preso desde o mês passado.

+++ Acordo de delação prevê dois anos em regime fechado para Funaro e multa de R$ 45 milhões

Neste sábado, o advogado do presidente Michel Temer, Eduardo Pizarro Carnelós, atacou o vazamento "criminoso" dos vídeos com depoimentos de Funaro ao Ministério Público. Ele classificou a divulgação da fala do delator como "mais um abjeto golpe ao Estado Democrático de Direito".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.