Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Manifestantes comemoram 1 ano de prisão de Cabral e pedem que deputados sigam na cadeia

Grupo foi à frente da cadeia onde o ex-governador está preso; manifestações hoje também pedem manutenção de prisões de Picciani, Melo e Albertassi

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2017 | 09h54

RIO DE JANEIRO – Um grupo de manifestantes está desde o início da manhã desta sexta-feira, 17, na porta da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na região central do Rio, comemorando um ano da prisão do ex-governador Sérgio Cabral.  Ele foi preso no dia 17 de novembro de 2016 na Operação Calicute, acusado de receber milhões em propina em troca de contratos com o governo.

+++ Ação atinge 20 anos de poder do PMDB-RJ

Com cartazes, bolo de aniversário, champanhe e sambas que ironizam a corrupção, os manifestantes também dão 'boas vindas' aos deputados estaduais que passaram a primeira noite na cadeia: Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi.

+++ Bombeiros farão festa pelo primeiro ano de Cabral na prisão

Vários protestos previstos para esta sexta, em frente à penitenciária e no entorno da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), vão tentar pressionar os demais parlamentares a decidirem pela manutenção das prisões - decretadas por unanimidade pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Desde cedo, também já havia uma pequena manifestação na porta da Alerj, com um imenso pano preto esticado na escadaria do prédio pedindo prisão para os corruptos.

+++ Justiça decreta prisão do 'Rei do Ônibus' do Rio de novo

A sessão da Assembleia que vai decidir se mantém ou revoga a prisão dos deputados deve começar depois das 15 horas. Servidores públicos fluminenses, prejudicados pela crise financeira agravada pela má gestão do Estado, prometem se reunir em frente à Alerj a partir do meio-dia. A tendência é de que a maior parte dos deputados vote por colocar os colegas em liberdade, mas a oposição promete mobilizar grande pressão popular.

+++O Rio definha e ‘esses sujeitos se empapuçam com dinheiro da corrupção’, diz procurador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.