Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Moradores calados e pouca movimentação em triplex no Guarujá

Pessoas que passavam em frente ao Solaris comemoravam a decisão do juiz Sérgio Moro

Rafael Cicconi, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2017 | 01h43

GUARUJÁ - Após a condenação em primeira instância determinada pelo juiz Sérgio Moro para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que sentenciou o petista a pena de 9 anos e seis meses de prisão, o clima era tenso para quem entrava e saía do Edifício Solaris, no Guarujá, no litoral de São Paulo.

Moradores e pessoas que trabalham no local não quiseram comentar sobre a decisão dada nesta quarta-feira, 12, e desviavam quando a reportagem do Estado se identificava. Entretanto, um detalhe chamou a atenção no edifício. Após a última visita da reportagem ao local, quando o prédio estava em reforma e foram flagrados trabalhadores dentro do apartamento 163-A, todos os tapumes e andaimes foram retirados, indicando o término das obras.

Apesar do clima tenso entre os moradores do edifício, as pessoas que passavam em frente ao Solaris comemoravam a decisão do juiz Sérgio Moro. Uma família de Brasília que está passando uns dias na cidade do litoral paulista não sabia do ocorrido, mas comemorou quando foi informada sobre a condenação. 

“A gente que mora em Brasília sabe da podridão que é a política de lá fica feliz quando vê que a justiça do Brasil está funcionando. O pessoal aqui vê a placa de Brasília e já questiona se somos políticos e olham feio. A nossa imagem fica queimada por gente que não honra nossa política”, afirmou o estudante de direito Adriano Alves de Moraes. 

Outra pessoa que comemorou a condenação de Lula foi a advogada Lilian Buzatto, que tem um apartamento em Guarujá e passeava com seus dois filhos em frente ao Edifício Solaris. “A gente sempre ouvia os boatos dos próprios trabalhadores do entorno de que o Lula era o dono do apartamento. O bom é que ele agora fica inelegível e a esperança na justiça volta para nós”, declarou Lilian. 

Mais conteúdo sobre:
Sérgio MoroLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.