Mônica Veloso lança livro nesta quarta-feira; leia trechos

Jornalista é pivô do escândalo envolvendo o o senador Renan Calheiros, com quem tem uma filha de três anos

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

26 Novembro 2007 | 16h32

Na próxima quarta-feira, 28,  a jornalista Mônica Veloso lançará o livro O Poder que Seduz,em São Paulo, que contará os "bastidores de Brasília e sua experiência como jornalista". Mônica é o pivô do escândalo envolvendo o presidente licenciado do Senado, com quem tem uma filha de três anos.Ele foi acusado de pagar a pensão à jornalista com dinheiro de um lobista ligado à construtora Mendes Junior.  Veja Também:Mônica conta como virou uma coelhinha Caso Renan será votado na CCJ na próxima quarta-feira Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan  Com Mônica, revista vende o dobro na banca do CongressoMônica Veloso evita falar de Renan no lançamento da Playboy  O Poder que Seduz está dividido em sete capítulos, que descrevem desde a chegada de Mônica Veloso a Brasília até as conversas de corredor no Congresso Nacional.  Leia alguns trechos do livro cedidos ao estadao.com.br: O Convite  Acredito que não tenha aceitado o convite talvez pela falta de tempomesmo, ou por não querer ou não me sentir preparada para me envolvercom alguém. Em uma dessas ocasiões, ao tratá-lo (Renan) com a formalidade desempre, ele retrucou "não me chame de senador", e não só pelas palavras,mas pelo tom com que foram ditas, ficou claro que não estava interessadoem mim profissionalmente, mas como mulher. A Conquista Nossa música marcante foi a do filme "Lisbela e o Prisioneiro". A letrafala de pessoas que se querem, mas sofrem por não poder se unir. Misturávamosas nossas vozes com a do Caetano e cantávamos, baixinho, olhandono fundo dos olhos do outro: Agora, que faço eu da vida sem você? Vocênão me ensinou a te esquecer. Você só me ensinou a te querer, e te querendoeu vou tentando me encontrar… A sedução Um homem que convence o eleitor a elegê-lo por vários mandatos seguidos,conquista a confiança de seus companheiros para que o elevem a líderdo partido, e depois a presidente do Senado, por que não pode seduzir umamulher? Quem irá negar que o político é um especialista na arte da sedução?Se não fosse, não poderia persuadir, costurar acordos, conseguir a liberaçãode verbas, enfim, nunca sairia de sua cidade, nunca estaria em Brasília. A Intimidade Se não estivéssemos apaixonados, não teria durado tanto tempo, elenão teria se exposto de tal forma. Muitos dizem que da minha parte erainteresse. Garanto que é mentira, eu não precisava do Renan para melhorara minha condição financeira. Se fosse uma relação casual, momentânea ouescondida, por que eu teria participado de tantos momentos importantes notrabalho dele, de eventos do partido e tantos almoços e jantares com outrossenadores? A pensão  Logo que fiquei grávida, em novembro de 2003, Renan concordou em pagar pensão mensalde oito mil reais, a partir de março de 2004, para garantir uma gravidez (...) Em dezembro de 2005, com o fim do nosso relacionamento, o Renan passou a pagar a pensão, via doc, a partir do Senado, mas reduziu o valor de oito para três mil reais. Acho que qualquer pessoa que tenha uma pensão reduzida em 67% brigará pelos  seus direitos, até porque não eram meus, mas de sua filha.     

Mais conteúdo sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.