Momento é difícil e exige ação prática, afirma Piva

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horácio Lafer Piva, afirmou hoje que o empresariado enfrenta um momento muito difícil, principalmente em função da retração da atividade econômica. E que esse momento exige uma ação positiva, não apenas de discurso, mas também da prática e da ação".Questionado se a ida do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, amanhã à Fiesp, teria como objetivo aplacar as preocupações do empresariado em relação à crise econômica a reforma tributária, Piva foi taxativo: "Vai depender do discurso dele (Lula)". As declarações do presidente da Fiesp foram feitas após a instalação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea/SP), pelo governador , Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes. Piva voltou a falar da preocupação do empresariado com a proposta de reforma tributária. "Se o texto for aprovado da maneira que está, teremos aumento de impostos". O presidente da Fiesp disse que a manifestação dos empresários hoje em Brasília tem a clara preocupação de mostrar os riscos do aumento da carga tributária. "Isso vai criar problemas para o setor produtivo". No seu entender, é importante que o empresariado apresente suas posições, neste momento em que a reforma está tramitando no Congresso Nacional, porque alguns tópicos precisam ser mudados. Entre esses pontos, ele citou o ICMS e a CPMF. "Defendemos uma eforma tributária melhorada", completou. Piva justificou que não compareceu à manifestação dos empresários porque tinha uma reunião com o conselho administrativo da sua empresa, a Klabin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.