Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Momento é de concentração por Aécio, diz Serra

"Estamos concentrados na campanha do Aécio; qualquer discussão envolvendo um possível apoio a Marina Silva, só depois do primeiro turno", reforçou

JOSÉ ROBERTO CASTRO E CARLA ARAÚJO, Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2014 | 18h14

O candidato ao Senado por São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, 22, que é cedo para pensar em alianças para o segundo turno da eleição presidencial. Segundo ele, o momento é de concentração para a campanha do seu correligionário Aécio Neves. "Temos que trabalhar pela vitória", disse, durante a série de Entrevistas Estadão. "Estamos concentrados na campanha do Aécio. Qualquer discussão envolvendo um possível apoio a Marina Silva, só depois do primeiro turno", reforçou.

Serra disse que é preciso ter respeito por todas as candidaturas e por isso também evitou comentar um possível apoio da Marina, caso Aécio não consiga passar para o segundo turno. "Não é momento de discutir segundo turno", reforçou. Questionado sobre o que achava da sinalização da ex-ministra, que tem dito que quer governar com "os bons" e citou Serra como um possível colaborador, o ex-governador lembrou que sempre teve uma boa relação com Marina. "Sempre tive uma boa relação com Marina", disse.

Ele amenizou ainda os ataques que os adversários têm feito em relação a ex-ministra e eximiu o companheiro de partido de estar fazendo agressões a Marina. "A meu ver, quem passa do ponto nos ataques é o PT", disse.

Serra afirmou que o PSDB não faz oposição de "quanto pior, melhor". "Isso é genético no PSDB, nós não conseguimos fazer oposição de botar pra quebrar".

Proposta

O candidato disse ainda que se eleito pretende implementar a Nota Fiscal Brasileira, modelo similar ao existente hoje no estado de São Paulo, que devolve aos contribuintes parte dos impostos recolhidos pelo governo. "Hoje os impostos federais não são devolvidos", disse. Segundo ele, apesar de o governo ter uma aparente despesa com a devolução de impostos, a medida "melhora a arrecadação, aumenta a formalização e diminui a sonegação", disse.

Drogas

Ao falar de suas propostas de políticas antidrogas, o candidato do PSDB ao Senado em São Paulo, José Serra, disse ser contra a legalização e afirmou que é preciso pensar na oferta e na demanda de entorpecentes.

Ao falar da oferta, Serra lembrou que, apesar de ser grande consumidor de crack e cocaína, o Brasil não produz as drogas e propôs que o governo não faça qualquer acordo de cooperação com países que são "cúmplices do contrabando de drogas". "O governo da Bolívia é cúmplice do contrabando de drogas", exemplificou Serra.

Do lado da demanda, a proposta do candidato ao Senado é apostar em campanhas de conscientização do usuário. "Deve haver uma diferenciação entre um traficante e um usuário de drogas", completou.

Menores

Serra disse ainda que é favorável ao aumento do tempo de internação de menores criminosos para até dez anos, dependendo da gravidade do crime.

Serra tem um entendimento diferente de Aécio Neves, que defende o projeto de autoria do senador Aloysio Nunes sobre a redução da maioridade penal para 16 anos em caso de crimes hediondos. Segundo o ex-governador de São Paulo, o projeto de alterar a Constituição para a redução da maioridade penal teria muitas dificuldades para tramitar no Congresso Nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesJosé serraAécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.