Molina retoma cargo na Unicamp

O foneticista Ricardo Molina de Figueiredo reassumiu hoje seu cargo de coordenador do Laboratório de Fonética Forense da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Molina estava afastado da função desde o dia 22 de fevereiro, quando foi demitido por irregularidades administrativas, conforme divulgou a universidade. O foneticista alegou que sua demissão foi política e ocorreu logo após ter sido avisado de que receberia as fitas com denúncias feitas pelo senador Antonio Carlos Magalhães a procuradores da República. "O maior problema é que a Unicamp teme que esses laudos políticos possam desagradar alguns grupos dentro da própria universidade, causando mal-estar", afirmou. Molina foi reconduzido ao seu cargo por meio de uma liminar concedida, no final da tarde de terça-feira, pelo juiz da 10ª Vara Cível de Campinas, Ricardo Fiore. O principal argumento é que o foneticista não teve como se defender das acusações.Há um ano e meio, a Unicamp instaurou uma sindicância para apurar irregularidades cometidas por Molina. O relatório da sindicância foi enviado para a Comissão de Processamento Permanente da universidade, que o analisou e encaminhou ao reitor Hermano Tavares, aconselhando a demissão.A assessoria de imprensa da Unicamp informou que a universidade irá recorrer da decisão do juiz, mas não adiantou que medidas irá tomar nem divulgou se o Laboratório de Fonética Forense será reativado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.