Modelos, passistas e até robô gigante

Candidatos fizeram de tudo para chamar atenção

Pedro Venceslau e Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2014 | 02h00

Enquanto dirigentes tucanos se revezavam ao microfone no palco da convenção do PSDB de São Paulo, que confirmou a candidatura à reeleição do governador Geraldo Alckmin, do lado de fora do centro de eventos os 2.200 candidatos a deputado faziam de tudo para chamar a atenção dos militantes.

Candidato a uma cadeira na Assembleia Legislativa, o ex-diretor da Companhia de Processamento de Dados do Estado (Prodesp) Gilmar Gimenes "escalou" um time de modelos profissionais para fazer a divulgação de seu nome.

"Nós somos de uma agência e trabalhamos muito em feiras e eventos. Não estamos na campanha", afirmou ao Estado Rebeca Araújo, uma das modelos. Ela preferiu não revelar o valor do cachê pago pelo trabalho.

Os cinco partidos nanicos que apoiam Alckmin - PTC, PTN, PSL, PT do B e PMN - usaram a mesma estratégia. Eles dividiram a conta e contrataram um grupo de modelos para divulgar com cartazes o que batizaram de "Projeto Vitória".

Questionada sobre qual é o objetivo do "projeto", uma das modelos respondeu: "Não sei, moço. Acho que são partidos".

Também candidato a deputado estadual, o ex-presidente do Sebrae Bruno Caetano preferiu usar um robô gigante comandado por controle remoto e cheio de adesivos com seu nome.

Mas a modalidade de divulgação mais usada pelos postulantes ao parlamento local foram os bonecos infláveis gigantes com suas caricaturas.

Alckmin de papelão. Os convencionais que não conseguiram chegar perto do governador Geraldo Alckmin foram contemplados com um plano B da organização do evento. Para garantir que todos pudessem levar para casa uma foto ao lado do tucano, foram distribuídos pelo local bonecos de papelão em tamanho natural do governador. A estratégia deu certo e filas se formaram em busca de um registro histórico.

A convenção foi encerrada com uma bateria de escola de samba que circulou cercada de passistas em trajes sumários.

Mais conteúdo sobre:
eleições geraldo alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.