Paulo Sergio/Câmara dos Deputados
Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

Modalmais/AP Exata: Bolsonaristas exaltam indulto; fora da bolha, ato é visto como ditatorial

Segundo a pesquisa, após o anúncio do indulto, 53% das menções ao episódio foram positivas, mas o número voltou aos patamares normais em menos de 24 horas

Bruno Luiz, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2022 | 20h02

A decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL) de conceder indulto ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 8 anos e 9 meses de prisão, dividiu opiniões nas redes sociais.

 Pesquisa Modalmais/AP Exata divulgada nesta sexta-feira, 22, aponta que o ato serviu para galvanizar a base bolsonarista. Fora da militância, no entanto, o perdão ao parlamentar foi visto como atitude autocrática e até mesmo ditatorial. Após o anúncio do indulto, 53% das menções ao episódio foram positivas, mas o número voltou aos patamares normais em menos de 24 horas.

 "Nesse imbróglio político-institucional, os dados revelam que o caso Daniel Silveira serviu como estímulo retórico do bolsonarismo, mas encontra dificuldades em ter a aprovação de perfis fora da bolha militante", informa o relatório da Modalmais/AP Exata.

 Na oposição, a narrativa usada para comentar o assunto é de que o presidente planeja um golpe de Estado, a conforme o resultado das eleições, e que o plano envolve a desacreditar o STF e de seus ministros. Defensores de Bolsonaro, no entanto, enxergam o contrário e entendem que o decreto preserva a Constituição e impede que um parlamentar seja punido por crime de opinião.

Para o instituto, o episódio pode prejudicar a recuperação da popularidade do governo. "Há ainda o risco de que o caso se estenda e prejudique a ascensão na aprovação do governo, uma vez que a radicalização do discurso presidencial nunca ajudou na melhoria de imagem da gestão, funcionando justamente de forma oposta."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.