Mistério na morte do prefeito de Jabuticaba, no RS

A morte do prefeito de Jabuticaba ainda está envolta em mistério. Pedro de Bem Aires, 52 anos, do Partido Progressista (PP), segundo os policiais do pequeno município de 4.200 habitantes, na Região do Alto Uruguai, distante 420 km de Porto Alegre, teria cometido o suicídio no pórtico de entrada da cidade, quando se dirigia a Seberi, onde tem um programa de rádio semanal.A arma que causou a morte de Aires foi encontrada no banco do passageiro do Fiat Uno da prefeitura. O delegado de Frederico Westphalen, 70 km de Jabuticaba, Alicildo José dos Passos, que está cuidando do caso, foi muito evasivo ao tentar explicar a morte do prefeito: "Pelas posições do corpo e da arma dentro do veículo a suposição é de que ele tenha cometido o suicídio", informou, já acompanhado dos especialistas do Instituto de Perícias da polícia gaúcha.Processo na Justiça EleitoralMas, se o delegado não soube, ou não quis dar maiores explicações, o inspetor Fabiano Ribeiro de Menezes, responsável pela delegacia local, tem informações que podem ajudar a polícia gaúcha a elucidar a morte de Aires. Segundo o policial, o prefeito estaria sendo processado pela Justiça Eleitoral gaúcha por compra de votos nas últimas eleições para a prefeitura da cidade. "Como ele não tinha inimigos declarados por aqui e estava preocupado com esse processo, o suicídio deve ter sido a forma encontrada por ele para fugir dos seus problemas", explicou Menezes.A causa da morte do prefeito, no entanto, deve ser esclarecida a partir da próxima segunda-feira, quando forem concluídos os trabalhos dos especialistas do Instituto de Perícias da polícia gaúcha. Pedro de Bem Aires era casado e tinha três filhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.