Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Missionários buscam votos para lutar por interesses das igrejas

Pastores evangélicos defendem criação de leis que garantam o funcionamento de templos e abrandamento da lei do silêncio

Felipe Frazão, de O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2012 | 16h00

Pelo menos quatro candidatos a vereador em São Paulo concorrem a outra "eleição". Eles disputam a bênção do líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, apóstolo Valdemiro Santiago. A igreja evangélica, que rivaliza com a Igreja Universal do Reino de Deus, quer de volta uma cadeira azul no parlamento paulistano. Mas não é a única. A Universal tenta manter duas vagas. Com três cadeiras, a Assembleia de Deus Brás recomenda voto em cinco postulantes.

A pauta das igrejas vai da luta por modificações na legislação de funcionamento dos templos à flexibilização da lei do silêncio, o Psiu, e passa ainda pela concessão de alvarás para eventos em espaços públicos.

"A igreja vai eleger um candidato. E vai eleger bem, com 50 mil votos", aposta o deputado e missionário José Olímpio (PP), primeiro membro da Mundial a passar pela Câmara – antes, havia sido vereador com apoio da Universal. Segundo Olímpio, Valdemiro ainda não declarou quem é o candidato da Mundial, mas vai "escolher e abençoar só um, para eleger mesmo". A tendência é ficar com o pastor Edemilson Chaves (PP).

Conhecido como "pastor da política", Edemilson coordena a evangelização carcerária da Mundial. Ele já distribui santinhos em que se diz "o candidato do apóstolo Valdemiro Santiago". E percorre templos da igreja na periferia. Além dele, José Olímpio Junior (PSD), Edinaldo Costa (PP) e Valdecir Cabra Bom (PTB) queriam o posto de "eleito pelo apóstolo".

A volta da Mundial ao Palácio Anchieta pode aumentar a bancada evangélica. Ao todo, oito vereadores são ligados a igrejas na atual legislatura: Noemi Nonato (PSB), Souza Santos (PSD), Sandra Tadeu (DEM), David Soares (PSD), Carlos Apolinário (PMDB), Edir Sales (PSD), Atílio Francisco (PRB) e Marta Costa (PSD). E só Apolinário não tenta reeleição.

Soares é filho do missionário R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus. Pela Universal, além de Santos e Francisco, concorrem os pastores Jean Madeira e Jefferson Julião, ambos do PRB. A Renascer em Cristo apoia Eduardo Tuma (PSDB) e Jorge Perez (PSD). A Assembleia de Deus Brás dividiu seus templos entre cinco candidatos, entre eles a cantora gospel Noemi. Ela também é apoiada pelo Ministério em Santo Amaro, cujo pastor José Geraldo Eugênio pediu anteontem voto para a vereadora durante culto – o que é proibido pela Lei Eleitoral. "A representação dos evangélicos na Câmara vai aumentar, não tenho dúvida. É a tendência natural", afirma o pastor Samuel Ferreira, líder do Ministério Brás.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Profissão vereador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.