Missão tripulada: Brasil festeja o parceiro chinês

Há 14 anos, quando o Brasil fechou parceria com a China para desenvolver o programa CBERS ? satélite de sensoriamento remoto ? não imaginava que o país oriental fosse se tornar a terceira nação do mundo a desenvolver tecnologia para ocupar o espaço. Para os profissionais do Inpe (Insituto Nacional de Pesquisas Espaciais), onde o CBERS 1 e 2 foi desenvolvido, em São José dos Campos, a missão tripulada da China ? marcada para o próximo dia 15 ? representa que o Brasil fez a escolha certa na hora de decidir por um parceiro para o desenvolvimento de seus projetos espaciais. ?Ainda é prematuro dizer se a missão tripulada terá conseqüências diretas para o Brasil, mas podemos dizer que a parceria com a China, mesmo em outro programa, é uma parceria correta e importante ao país?, afirmou o gerente do Programa CBERS, Luiz Antonio dos Reis Bueno. Para o coordenador do Programa da Estação Espacial Internacional (ISS) do Inpe, Petrônio Noronha, a missão tripulada da China ?engrandece a parceria com o Brasil?. ?É um fato muito importante porque depois de 40 anos mais uma nação consegue obter esta tecnologia tão cara e tão difícil de ser desenvolvida?. Segundo Noronha, a China conseguiu mudar de categoria no setor espacial e isso tem que ser olhado com imenso respeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.