Missão da Petrobras tenta recuperar Galápagos

Por volta das 12 horas, os aviões Hercules C-130 e Boing 707, ambos da Força Aérea Brasileira (FAB), deixaram o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP), com destino a cidade de Rio Branco (AC) para reabastecimento, seguindo depois para a cidade de Guaiaquil, no Equador. Na bagagem, os aviões carregaram 12 toneladas de equipamentos de defesa ambiental da Petrobras e, entre os passageiros, 8 técnicos da companhia. O objetivo da missão brasileira é contribuir na recuperação ambiental do arquipélago de Galápagos, um dos maiores santuários ecológicos do mundo, vítima de um derramamento de óleo desde a semana passada."Estamos realizando uma operação de solidariedade com uma nação irmã", disse o ministro de Minas e Energia Rodolpho Tourinho, esclarecendo que a oferta dos equipamentos e do corpo técnico brasileiro partiu do presidente Fernando Henrique Cardoso e que foi aceita pelo governo equatoriano.O presidente interino da estatal, José Coutinho, admitiu que a participação da empresa na recuperação da área atingida pelo óleo é uma oportunidade para demonstrar a capacidade da empresa em atuar em acidentes ambientais. "O vazamento na Baía de Guanabara ocorreu em uma quarta-feira, e os equipamentos só chegaram na segunda-feira. Hoje, após sermos acionados, montamos a equipe e separamos os equipamentos em menos de 24 horas", comemorou.Constituem a equipe enviada a Galápagos técnicos especializados em controle de vazamentos de óleo em alto mar, na área de limpeza, contingenciamento de óleo e veterinários para recolhimento e tratamento de aves e animais marinhos. "Esta noite, o doutor Lauro Barcellos, um especialista em recuperação e tratamento de animais atingidos por combustíveis como óleo, será enviado ao arquipélago", informou Tourinho.Na avaliação dos técnicos da Petrobras, o prazo de permanência da equipe no arquipélago poderá chegar até 5 semanas. "Não deveremos ficar menos do que 8 dias", disse um membro da equipe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.