Miro diz não ter recebido convite formal do PMDB

O ministro das Comunicações, Miro Teixeira, disse que não recebeu nenhum convite formal por parte do PMDB. "Não quero com isso ficar bancando a noiva", afirmou. Segundo ele, as conversas sobre uma eventual filiação ao PMDB são "gentilezas de amigos", que querem deixar as portas do partido abertas a Miro no caso de as dificuldades enfrentadas hoje dentro do PDT se tornarem insustentáveis. Ele negou que exista qualquer campanha dentro do PDT para que ele saia ou fique no partido. "Em todo partido há conflitos", afirmou. "Procuro administrar as divergências". Segundo o ministro, sempre há boatos de que ele está saindo do PDT. "Já falaram que estive no PPS, no PTB, no PSB e no PT. Agora estou no PMDB". Para o ministro, há mais verossimilhança na versão de sua ida para o PMDB pelo fato de ele ter sido fundador do MDB. Miro avaliou que no programa de televisão do PDT veiculado ontem, o presidente do partido, Leonel Brizola, não teria agido com o objetivo de apresentar outra alternativa política ao governo Lula. "É um equívoco imaginar que o governo Lula dando errado haverá possibilidade de uma nova candidatura da esquerda, e esse equívoco o Dr. Brizola não cometeu", disse o ministro. Segundo ele, a grande reflexão no País hoje é a que está ocorrendo no seio de entidades como a CUT e o MST e entre a intelectualidade. "Todas as forças populares e democráticas têm que colaborar para que o presidente Lula tenha condições de fazer um grande governo" aconselhou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.