Miranda diz que 'continuará trabalhando pelo Tocantins'

"Entrei pela porta da frente e sairei pela porta da frente", afirmou governador cassado

Luciana Nunes Leal, Agência Estado

09 de setembro de 2009 | 12h25

O governador cassado de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), disse há pouco que, embora não tenha mais recurso judicial possível depois da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite de ontem, "a luta não acabou" e continuará a trabalhar pelo Estado. Miranda está na porta do Palácio Araguaia aguardando a chegada de seu substituto, o presidente da Assembleia Legislativa e companheiro de partido, Carlos Gaguim, a quem entregará o cargo. Todos os secretários estaduais também sairão do governo, segundo Miranda. "Entrei pela porta da frente e sairei pela porta da frente. Desejo que o governador seja muito feliz", afirmou Marcelo Miranda ao Estado.

 

O governador negou as acusações de abuso do poder político nas eleições de 2006. "Continuo dormindo em paz", respondeu. Gaguim assumirá interinamente até que o novo governador seja escolhido, em eleição indireta, pelos 24 deputados estaduais. "É uma determinação do TSE que tem respeitada. O eleitor indireto deve ser respeitado, os deputados estaduais representam o eleitorado. Mas a comunidade tem que ser chamada a participar também", disse Miranda.

 

Ele disse que, se for convocado pelo PMDB a participar da campanha-relâmpago para escolha do "governador-tampão", estará "pronto para contribuir". Um dos nomes do PMDB para disputar o governo é o próprio Carlos Gaguim.

Tudo o que sabemos sobre:
Tocantins, Marcelo MIrandacassadoTSE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.