Ministros tiram férias para reforçar campanha de Dilma

O ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, estará, a partir de segunda-feira, à disposição da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff. A informação da saída temporária de Gilberto foi antecipada ontem pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada nesta quinta-feira pela sua assessoria. Gilberto vem ajudando a presidente no diálogo com movimentos sociais e com a Igreja e, inicialmente, resistia em deixar o governo. Mas, com o acirramento da campanha e a queda da presidente Dilma nas pesquisas de intenção de voto, preferiu sair para ficar mais liberado.

TÂNIA MONTEIRO E RAFAEL MORAES MOURA, Estadão Conteúdo

04 de setembro de 2014 | 19h41

O ministro do Desenvolvimento Social, Miguel Rossetto, também deverá ir para a campanha. A decisão definitiva, no entanto, segundo a sua assessoria, só acontecerá na próxima semana. O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, negou, de acordo com sua assessoria, que vá sair do governo para trabalhar apenas na campanha. Berzoini já participa de reuniões de campanha com a presidente Dilma. Na noite de quarta-feira, Berzoini e Rossetto participaram de reuniões no comitê de campanha do PT.

Já o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, está em férias desde ontem (3) até 12 de setembro, conforme publicação no Diário Oficial da União. Com a licença, o ministro fica liberado para atuar nas campanhas da sua mulher Gleisi Hoffmann, ao governo do Paraná, e da presidente Dilma.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesDilmaministrosférias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.