Ministros tentam conter crise e obter trégua no STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) passaram o dia ontem envolvidos em uma ?operação panos quentes?. Um dia depois do bate-boca no plenário da corte entre o presidente Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, os ministros ?bombeiros?, como Carlos Ayres Britto e Ricardo Lewandowski, conseguiram firmar uma trégua. No dia anterior, ao fim da sessão, Mendes e Barbosa discutiram rispidamente. O presidente do tribunal disse que o colega não ?tinha condições de dar lição a ninguém?. Em resposta, o colega afirmou que Mendes ?está destruindo a Justiça do País? e afirmou que não deveria tratá-lo como um de seus ?capangas do Mato Grosso?.

AE, Agencia Estado

24 de abril de 2009 | 07h28

Nos termos do pacto, os ministros fizeram questão de deixar claro que ambos, Barbosa e Mendes, erraram. O primeiro por se exceder e ter reações ?inadmissíveis?, e o presidente do STF por não ter evitado o confronto com um colega. Após a sessão plenária, o esforço foi de não dar apoio a um dos lados. Barbosa cancelou uma viagem ao Rio Grande do Norte para ficar na cidade e digerir, nas conversas com ministros, a crise da quarta-feira. Mendes, por sua vez, foi à Câmara e negou a existência de crise. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
JustiçaSTFbate-boca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.