Ministros têm "obrigação" de evitar CPI, diz líder

O líder do governo no Congresso, deputado Arthur Virgílio (PSDB-AM), informou que os ministros de Estado e os líderes dos partidos aliados do governo têm a obrigação de convencer os parlamentares de suas bancadas que assinaram o requerimento de criação da CPI da Corrupção a retirarem seus nomes do documento. Ele informou que, além desse trabalho de convencimento, devem retornar à Câmara deputados que assumiram cargos de secretários de Estado, para ajudar o governo nessa tarefa. Está previsto, por exemplo, o retorno do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) que, no momento, está na Secretaria de Governo do Rio Grande do Norte, como também o do deputado Ariosto Holanda (PSDB), que ocupa a Secretaria de Tecnologia do governo do Ceará. Os suplentes desses dois parlamentares teriam assinado a lista de criação da CPI. "Todos os argumentos legítimos e democráticos serão utilizados neste momento", disse o líder. Ele adiantou que, se depender dele, o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), não convoca extraordinariamente sessão conjunta do Congresso, como deseja a oposição, para que seja feita a leitura do requerimento de criação da CPI. Virgílio acusou a oposição de tentar criar uma crise no País, com ajuda de algumas pessoas "equivocadas" da base aliada do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.