Ministros do STF dizem que Arruda não se livrou da cassação

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avaliaram nesta segunda-feira que osenador José Roberto Arruda (PSDB-DF) não está livre de um processo de cassação pelo fato de admitir que teve acesso àlista dos votos secretos que levaram à perda do mandato do ex-senador Luiz Estevão.?Se alguém comete um homicídio e confessa espontaneamente deixa de ser punido??, comparou um dos integrantes doSupremo. ?Considero louvável a confissão do senador e da ex-diretora do Prodasen (Regina Borges), mas isso não apaga o queeles fizeram?, afirmou o ministro.Um dos integrantes do STF disse que Arruda mentiu na semana passada quando disse que não tinha relação com ovazamento dos votos secretos da cassação do ex-senador Luiz Estevão. ?Luiz Estevão foi cassado sob a alegação de quementiu?, lembrou.O ministro disse que se os senadores quiserem tirar o mandato de Arruda ?eles cassam?. ?A definição é política?, avaliou,lembrando do precedente da cassação de Luiz Estevão.Um ministro do STF afirmou que a confissão é ?um meio de purificação da alma?, mas não evita a abertura de um processo decassação.?A confissão pode provocar a catarse, mas até facilita a apuração?, afirmou o integrante do Supremo.O ministro comparou Arruda ao estudante Raskólnikov, personagem do livro ?Crime e Castigo?, escrito em 1866 pelo russoDostoievski.O livro narra a expiação do personagem central, que mata uma usurária e tenta encontrar álibis. Mas, ao final,confessa o crime e é preso.?O Arruda é o novo Raskólnikov?, afirmou o integrante do Supremo. Com base nessa avaliação, o ministro opinou que deveriaser instaurado um processo de cassação contra o senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.