Ministro revoga portaria que cassou visto de Larry Rohter

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, revogou hoje a portaria que havia cassado, na semana passada, o visto de permanência do correspondente do The New York Times no Brasil, Larry Rohter. O governo brasileiro considerou "suficientes" as explicações dadas pelo jornalista sobre a reportagem envolvendo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em um despacho dado no final da tarde, Bastos aceitou todos os argumentos de Rohter, apresentados por meio de requerimento, negociado pelo próprio governo, na sexta-feira passada. Antes de assinar o despacho, durante almoço na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), entidade da qual já foi presidente, Thomaz Bastos disse que o governo federal considerou encerrada a crise desencadeada pel a publicação no The New York Times, do texto de Rother sobre o suposto hábito de Lula consumir bebidas alcoólicas. "O ministro deixou claro que episódio está definitivamente encerrado", afirmou o presidente nacional da OAB, Roberto Busato. Thomaz Bastos que não quis dar entrevista.Segundo Busato, durante o almoço o ministro conversou sobre o episódio, disse que o governo não pretende processar nem o New York Times nem seu correspondente e deu sinais de que vai continuar no govern o. "O ministro me pareceu muito ministro. Ele me pareceu muito firme na posição de continuar ministro. Acredito que essa hipótese (saída do governo) não existe", comentou Busato após o almoço, refereindo-se ao fato de que a cassação do visto de Rohter ocorreu sem a consulta a Bastos, que se encontrava na Suíça e, contrariado, teria chegado a ameaçar deixar o governo.No despacho aceitando a reconsideração de Rohter, Bastos assinala o fato de o repórter ter alegado que jamais teve a intenção de ofender a honra do presidente, reafirmado afeto pelo País, que o artigo escrito limitava-se a veicular comentários e que o texto foi traduzido errada mente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.