Ministro repete proposta aos professores em greve

O ministro da Educação, Paulo Renato de Souza, afirmou hoje, em entrevista coletiva, que o governo enviará amanhã ao Congresso projeto de lei que corrige o salário dos professores das universidades federais, em greve há 76 dias, por meio de reajuste da Gratificação de Estímulo à Docência (GED). O reajuste representará uma despesa extra de R$ 250 milhões no próximo ano. Essa proposta é a mesma feita no início de outubro aos professores que a rejeitaram em assembléias realizadas em todo o País. "Esse é o limite do governo", disse o ministro.O presidente Sindicato Nacional dos Docentes, Roberto Leher, disse que a categoria não aceitará a proposta. Segundo ele, o Sindicato não pretende levar a proposta para ser submetida aos professores. "Faço um apelo para que os reitores assumam a liderança nas suas universidades e, em nome do MEC, peço a retomada das atividades nas instituições federais de ensino", afirmou o ministro. Conforme Paulo Renato, os recursos para cobrir a despesa extra da correção salarial virão de emendas de parlamentares (R$ 100 milhões) e do orçamento do Ministério da Educação (R$ 150 milhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.