Ministro relator do STJ defende libertação de Arruda

Ministro relator do STJ defende libertação de Arruda

Fernando Gonçalves alegou que as próximas diligências da investigação sobre o 'mensalão do DEM' serão 'técnicas'

Leandro Colon - O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2010 | 15h27

O ministro Fernando Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), pediu nesta segunda-feira, 12, a libertação de José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, preso desde o dia 11 de fevereiro numa cela da Polícia Federal. Os integrantes da corte vão votar ainda nesta tarde se seguem ou não o voto do ministro Gonçalves, relator do inquérito sobre o esquema de corrupção no Distrito Federal.

 

Gonçalves alegou não haver mais "razões" para a prisão preventiva de Arruda. A decisão dele contrariou posição do Ministério Público Federal. Em requerimento enviado ao tribunal, a subprocuradora-geral da República Raquel Elias Ferreira Dodge pediu a manutenção da prisão de Arruda.

 

Arruda foi preso em fevereiro - por decisão da Corte Especial do STJ - sob a acusação de coagir testemunhas e obstruir as investigações sobre o esquema de corrupção no governo do Distrito Federal. Tentou, sem sucesso, um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). Em março, Arruda perdeu o cargo de governador. Foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por infidelidade partidária. Arruda deixou o DEM em dezembro depois da revelação do esquema de corrupção desmantelado pela Operação Caixa de Pandora, em 27 de novembro. Ele não recorreu da cassação e aceitou a perda da cadeira de governador.

 

Em sua decisão, Fernando Gonçalves alegou que, segundo a Polícia Federal, as próximas diligências da investigação sobre o "mensalão do DEM" serão "técnicas", diminuindo as chances de Arruda interferir no inquérito. O ministro argumentou também que, cassado, Arruda também perdeu o poder de governador de atrapalhar a ação da polícia para apurar o esquema de corrupção.

Tudo o que sabemos sobre:
MinistrorelatorSTJArrudaDF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.