Ministro pede à população que combata a dengue

O ministro da Saúde, Barjas Negri, fez um apelo para que as famílias colaborem no combate à dengue, não apenas no dia de mobilização nacional, mas durante todo o verão. Negri descartou a possibilidade de uma epidemia da doença e lembrou que a meta do ministério é reduzir à metade os casos da doença no Brasil. Só no município do Rio, 63 pessoas morreram de dengue, no verão passado. "Imaginamos que não teremos epidemia, mas sim casos isolados", afirmou o ministro, que neste sábado abriu o Dia Nacional de Combate à Dengue.O Programa Nacional de Controle à Dengue vai custar R$ 1 bilhão. "Apelo à população que participe e elimine os focos. É preciso ter a participação das famílias neste trabalho. Não conseguimos entrar em todas as residências ao mesmo tempo. A população precisa dar sua contribuição", disse Negri. Barjas Negri iniciou o Dia D de combate à dengue com visitas a duas casas no bairro da Urca, zona sul do Rio, o local onde os técnicos têm maior dificuldade de chegar às residências. O índice é de 50% de recusas dos moradores em abrir as portas ou de casas fechadas e abandonadas. A média do município é de 30% do que os técnicos chamam de "pendências", ou seja, de cada dez domicílios, três não são vistoriados.A primeira casa, de Helena Lavatori Rachel Corrêa, foi considerada um exemplo de cuidado pelos agentes sanitários que fizeram inspeção no local. Com muita dificuldade, a associação de moradores conseguiu uma chave da segunda casa, fechada há alguns anos. Durante a inspeção foram encontrados dois focos da dengue, em um copo de iogurte e em uma garrafa plástica. "O trabalho na casa da dona Helena pode ser jogado por terra por esta outra casa onde foram encontrados latas cheias e focos da dengue. Isso pode contaminar todo o bairro", afirmou o ministro, ao lembrar que o melhor caminho para se conseguir acabar com a dengue é a mobilização das famílias, pois 90% dos focos são identificados em áreas residenciais.A presidente da Associação de Moradores da Urca, Ana Luísa Brandão Rodrigues, lembrou que a segunda casa visitada estava fechada desde o verão passado e também tinha focos de dengue durante a epidemia. Para diminuir a resistência dos moradores da Urca ao trabalho dos agentes de saúde, a Secretaria Estadual de Saúde e a associação de moradores colocaram no jornalzinho do bairro fotos com identificação de todos os técnicos que trabalharam na região.O trabalho será feito em todos os bairros, para convencer a população a receber os agentes.A governadora do Rio, Benedita da Silva (PT), também descarta a hipótese de uma epidemia de dengue neste verão que, segundo ela, "não será igual ao que passou". A governadora disse que está trabalhando em parceria com o governo federal e que o Estado contratou 1.004 agentes sanitários para participar da mobilização de combate à dengue.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.