Ministro nega irregulares na Operação Tapa-Buraco

O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, afirmou nesta terça-feira que "dificilmente" será encontrado algum problema de corrupção nas obras da operação tapa-buraco. A declaração do ministro foi feita na audiência pública da sessão conjunta das comissões de Assuntos Econômicos e de Infra-estrutura do Senado, em resposta ao senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), que havia dito, pouco antes, que existem empresas inidôneas atuando na operação. Nascimento negou essa possibilidade, afirmando que, inclusive, o governo não pode contratar empresas declaradas inidôneas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Nascimento admitiu que antes de assumir o Ministério dos Transportes ouvia histórias de que a pasta tinha problemas de transparência. Por isso mesmo, disse, tomou todas as providências para evitar irregularidades. "Por isso digo que não tenho nenhum receio dessa operação (tapa-buraco)."Em outro momento da sessão, o ministro já havia sido questionado pelo senador José Jorge (PFL-PE) sobre o fato de a construtora Delta, que foi doadora de campanha de partidos da base aliada, ter a maior parte dos contratos do programa. Nascimento respondeu que a Delta tem um grande volume de contratos porque conseguiu anteriormente várias licitações e por estar próxima dos trechos do programa emergencial ela acabou se credenciando para obter mais obras. O ministro também reforçou que nenhuma das empresas que fazem parte da operação doaram dinheiro para a campanha dele à prefeitura de Manaus, em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.