Ministro Miguel Jorge quer controlar BNDES

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, discute na próxima semana com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a eventual substituição de Demian Fiocca na presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento, Econômico e Social (BNDES). A expectativa é que a conversa aconteça na segunda-feira à noite, quando Miguel Jorge retornará de São Paulo para Brasília no mesmo avião que Lula. O ministro tem evitado falar publicamente sobre o assunto, mas já deu sinais de que Fiocca não deve permanecer no cargo. "Ainda não pensei nisso. A minha prioridade tem sido ´aprender´ o ministério primeiro", disse Miguel Jorge ontem, após se encontrar com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Miguel Jorge tomou posse na semana passada deixando claro que mandará no BNDES, órgão oficialmente ligado ao seu Ministério, mas que sempre sofreu interferências da Presidência da República e do Ministério da Fazenda. Adotando uma postura clara de que o assunto será tratado diretamente com o presidente da República, com quem sempre teve bom trânsito, Miguel Jorge disse que não discutiu a questão do BNDES com Mantega. Fontes do governo garantem que, "como bom mineiro", a questão do BNDES foi acertada com Lula antes da posse de Miguel Jorge. Mantega voltou a negar que Fiocca fará parte da equipe do Ministério da Fazenda. Nos bastidores, circula a informação de que o presidente do BNDES poderia ir para o lugar do secretário interino do Tesouro, Tarcísio Godoy. "O Fiocca está bem no BNDES e o Tarcísio está bem aqui no Tesouro" ,disse. Diante da insistência dos jornalistas, pelo fato de Godoy não ter sido confirmado no cargo anteontem, quando anunciou mudanças na equipe, Mantega disse que está avaliando. "Estou satisfeito com o trabalho que está sendo feito. Não temos o que nos preocupar com isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.