Ministro infla números

O ministro Fernando Haddad se equivocou em alguns números. Disse que os conselhos de 40 universidades do "parque federal" já adotaram políticas de ações afirmativas, com cotas. Segundo números levantados do ministério, no entanto, são 40 universidades públicas, das redes federal e estadual, somadas.Quanto ao número de estudantes beneficiados pelas cotas, destacou que isso só será oficialmente conhecido após o próximo censo do ensino superior, em fase de preparação. Mas em seguida emendou: "Diria, sem medo de errar, que os cotistas já devem superar 100 mil."Na verdade ele se referia ao número de bolsistas de escolas particulares, beneficiados pelo ProUni que se apresentaram como afrodescendentes - em torno de 136 mil.O número mais provável de cotistas em universidades públicas deve girar em torno de 18 mil. Somando os dois grupos, seriam mais de 150 mil afrodescendentes beneficiados.Haddad foi aplaudido pela platéia. Mas também recebeu cobranças: reitores e militantes do movimento negro querem que o governo agora distribua mais bolsas para os cotistas de escolas públicas a fim de bancar despesas com moradia, alimentação e livros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.