Hélvio Romero/AE - 09.04.2008
Hélvio Romero/AE - 09.04.2008

‘Ministro ganhou menos que um automóvel’, diz dono da Wtorre

Walter Torre Jr. diz ter pago valor "irrisório" por consultorias de Palocci, entre 2007 e 2010

Leandro Colon, de O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2011 | 23h00

BRASÍLIA - O dono da construtora WTorre, Walter Torre Jr., disse, em entrevista ao Estado, que pagou um valor "irrisório" pelas consultorias do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, entre 2007 e 2010.

 

"O valor total é inferior ao de um automóvel", afirmou o empresário. Palocci justifica a evolução patrimonial e o enriquecimento com altos valores recebidos em consultorias.

 

Questionado se o dinheiro pago era menos de R$ 50 mil, Torre respondeu: "Um pouco mais do que isso". Ele contou que Palocci esteve 22 vezes na sua empresa. "É uma palhaçada o que estão fazendo", disse Torre, sobre a polêmica envolvendo a construtora e a empresa Projeto, de Palocci.

 

Por que a WTorre contratou o Palocci?

Porque ele é uma pessoa extremamente influente, com alto grau de conhecimento de mercado financeiro, ex-ministro da Fazenda.

 

Que tipo de consultoria ele prestou?

Ele esteve 22 vezes conosco nas últimas sextas-feiras do mês. Ele ia mês sim, mês não, falou sobre política econômica, macroeconomia. É uma palhaçada o que estão fazendo.

 

E o sr. poderia revelar os valores pagos?

É um valor extremamente baixo. Irrisório. O valor total é inferior ao de um automóvel.

 

Menos de R$ 50 mil?

Um pouco mais que isso. É valor total em quatro anos, entre 2007 e 2010.

 

Não é tráfico de influência a relação entre WTorre e Palocci?

Em hipótese nenhuma. Cada vez mais fico irritado quando não existe seriedade e transparência. Minha empresa é extremamente transparente.

 

O que a WTorre aproveitou dos 22 encontros com Palocci?

Eu fico indignado com sua pergunta. Você tem noção da cultura e da vivência que tem um ministro da Fazenda? Ele vai expondo como está o mercado lá fora, se o momento é de investir. São pareceres. Estávamos para abrir o capital da empresa, queríamos saber se era hora de abrir capital interno ou externo.

 

Não há um conflito de interesse por ele ser deputado federal?

Para nós, nenhum, porque não trabalhamos com o governo, com obra pública. Não tenho nenhum negócio. Para a Previ eu vendi um prédio, num leilão, onde houve 18 propostas, por um acaso, a mais alta foi da Previ. Com a Petrobrás eu loquei dois prédios. Não tem nenhum tipo de favorecimento, nada com o Palocci.

 

Valeu a orientação dele?

É uma pessoa de alta cultura na área financeira. Temos grandes investimentos imobiliários e vários fundos internacionais querendo investir conosco. Somos inovadores em todos os seguimentos imobiliários e financeiros. Nós temos pelo menos uma dez consultorias financeiras.

 

Há ex-ministros e deputados entre esses outros consultores?

Não e daqui para frente não terá nunca mais. Palocci era o único, e tive orgulho de conhecê-lo. Mas tudo nesse país tem dupla interpretação. Felizmente eu tive a consultoria do Palocci.

 

O sr. falou com o Palocci nos últimos dias?

Não falo com ele há seis, sete meses. A última vez foi em 2010. Aposto nessa porcaria de País. Não admito que usem minha marca para fazer manchete falsa ou qualquer outro tipo de envolvimento que não seja a mais pura verdade.

 

Mais conteúdo sobre:
PalocciWTorreconsultoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.