Ministro é vaiado na Marcha para Jesus ao dizer que representava Dilma

Em seguida, líder da Igreja Renascer em Cristo tomou a palavra para tentar aplacar o mal-estar

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

29 Junho 2013 | 18h04

Texto atualizado às 18h38

SÃO PAULO - O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, recebeu vaias neste sábado, 29 durante a 21ª Marcha para Jesus, em São Paulo, ao anunciar que participava do megaevento evangélico em nome da presidente Dilma Rousseff.

Após a fala do ministro, o apóstolo Estevam Hernandes, líder da Igreja Renascer em Cristo, tomou a palavra para tentar aplacar o mal-estar. Carvalho considerou a vaia uma "coisa normal".

Outras autoridades também estiveram no evento evangélico. Marcaram presença o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), acompanhado da primeira-dama, Lu Alckmin; o ex-prefeito da cidade, Gilberto Kassab (PSD) e do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o deputado Marco Feliciano (PSC).

A marcha serviu como uma espécie de desagravo a Feliciano. O pastor voltou a ser alvo de protestos em todo o País por ter aprovado chancelado a aprovação do projeto apelidado de "cura gay" na Comissão de Direitos Humanos. A proposta suspende trecho da resolução do Conselho Federal de Psicologia de 1999 que proibiu profissionais da área de colaborar com eventos e serviços que ofereçam tratamento e cura de homossexualidade, além de vedar manifestação que reforcem preconceitos sociais em relação aos homossexuais.

Segundo a Polícia Militar, a marcha foi acompanhada por 500 mil pessoas na região norte da capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.