Ministro e deputado que escapou da cassação vistoriam tapa-buraco

O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, está acompanhado, na visita que faz ao canteiro de obras da operação tapa-buracos no KM-7 da rodovia BR-040, do deputado federal Sandro Mabel (PL-GO), que escapou de ter seu mandato cassado e já manifestou e intenção de disputar o governo de Goiás, e do diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes), Mauro Barbosa da Silva. O governo iniciou hoje as obras em vários Estados.Nascimento voltou a negar que as obras emergenciais iniciadas hoje nas rodovias federais tenham o caráter eleitoreiro atribuído a elas pela Oposição. O ministro admitiu, no último dia 2, que deixará o cargo para disputar uma vaga ao Senado ou o governo do Amazonas. Ele é da cota do PL no governo Lula.Mas, enquanto o ministro dava entrevista a jornalistas que acompanham sua visita, militantes locais do PT esticavam atrás dele uma faixa anunciando: "Moradores de Cidade Ocidental agradecem ao presidente Lula pelas obras na rodovia e no município". Em outro local do canteiro de obras, havia uma faixa menor em que se lia "É isso aí, Lula" com assinatura do PT de Luziânia (GO). Em alguns trechos da estrada há placas com a inscrição "Esta é uma obra do governo federal".MensalãoSandro Mabel, líder do PL na Câmara, foi o primeiro deputado envolvido nas denúncias do mensalão a sair sem punição do processo de cassação. O plenário da Câmara, última instância do processo, aprovou por 340 votos a favor e 108 contrários o parecer do Conselho de Ética da Casa que pediu o arquivamento do pedido de cassação de Mabel por falta de provas. Foram registrados 2 votos nulos e 17 abstenções. A principal acusação contra o deputado ficou por conta da deputada Raquel Teixeira (PSDB-GO). Ela afirmou que recebeu do líder do PL, em fevereiro de 2004, proposta para mudar de partido em troca de R$ 1 milhão mais uma mesada de R$ 30 mil. Mabel negou a acusação durante todo o processo e pediu a cassação da deputada que o acusou, afirmando que ela mentiu em suas declarações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.