Ministro dos Transportes não descarta novas demissões

Reportagem da revista 'IstoÉ' aponta que Passos liberou R$ 78 milhões para obras irregulares

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

16 de julho de 2011 | 13h06

BRASÍLIA - O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, convocou uma coletiva na manhã deste sábado, 16, para prestar esclarecimentos sobre reportagem da revista IstoÉ, que o aponta como responsável pela liberação de R$ 78 milhões para obras irregulares. Segundo Passos, esses repasses foram feitos de forma legal para "otimizar a aplicação dos recursos em cada exercício".

Questionado sobre a possibilidade de que haja novas demissões na pasta, Passos respondeu que não pode descartá-las. "Se houver razões que justifiquem o afastamento de outras pessoas, elas podem ser substituídas, sim", disse.

As denúncias de IstoÉ envolvem o repasse extra de recursos para três rodovias federais no ano passado - BR-317 (trecho do Amazonas), BR-265 (trecho de Minas Gerais) e BR-101 (trecho do Rio de Janeiro). De acordo com o ministro, a liberação desses créditos suplementares atende a um procedimento usual na administração pública de remanejamento dos recursos de obras que estão paradas para outras que estão em ritmo mais avançado.

No caso de trecho da BR-101, em que um contrato de duplicação da rodovia foi aumentado em 100%, o ministro admitiu possíveis falhas na elaboração do projeto original, as quais atribuiu à diretoria de planejamento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Nos últimos 15 dias, foram afastados seis funcionários da cúpula do Ministério dos Transportes e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), após o surgimento de denúncias de superfaturamento em obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.