Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Roberto Jayme/TSE
Roberto Jayme/TSE

Ministro do TSE volta a criticar Janot e cobra atuação do Ministério Público em investigações sobre Dilma

João Otávio de Noronha rebate crítica do procurador-geral sobre 'protagonismo exagerado' do Tribunal e anuncia sua saída da relatoria do processo

Leonardo Augusto - Especial para O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 12h02

Belo Horizonte -  O ministro do TSE, João Otávio de Noronha, que também é corregedor da Corte e relator do processo contra a presidente Dilma Rousseff, voltou a criticar, nesta sexta-feira, 4, a declaração do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a necessidade do Tribunal não ser "protagonista exagerado da democracia". A crítica do ministro foi feita durante um congresso sobre Código Civil do qual participa em Belo Horizonte e veio com o anúncio de que ele deixará a relatoria do processo sobre denúncia, feita pelo PSDB, de que a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) pela reeleição no ano passado utilizou recursos desviados da Petrobrás. Quem assumirá a função, no próximo dia 30, será a ministra Maria Thereza de Assis Moura.

"O Ministério Público sempre foi atuante em relação a vereadores, prefeitos de pequenas cidades, de cidades maiores, deputados, foi extremamente atuante na cassação do governador José Roberto Arruda (ex-governador do Distrito Federal), espero que seja atuante também na investigação contra a autoridade maior do país, que é a presidente da República", afirmou.

Noronha termina o mandato de dois anos na Corte no dia 30 e, como corregedor, também será substituído por Maria Thereza porque, pelo regimento do Tribunal, ações como as impetradas pelo PSDB, que pedem a cassação do registro da chapa, são relatadas pelo ministro que ocupa a corregedoria. Em fevereiro, a ministra Maria Thereza indeferiu, em decisão monocrática, o mesmo pedido de investigação, que acabou derrubado em Plenário.

Noronha e os ministros do TSE Dias Toffoli e Henrique Neves, já haviam se pronunciado sobre a declaração de Janot em sessão do dia 1º de setembro, quando o vice-presidente da Corte, Gilmar Mendes, voltou a pedir que a Procuradoria-Geral da República investigue gráfica contratada pela campanha de Dilma.

O ministro afirmou ser difícil que o processo sobre Dilma no TSE tenha novos desdobramentos até o dia 30. "Ainda não obtive respostas do Supremo Tribunal Federal (STF) e do juiz em primeira instância de informações sobre a Operação Lava Jato", disse, se referindo à investigação da Polícia Federal sobre o desvio de recursos da Petrobrás. Conforme o ministro, até o momento, não há, nos autos, provas contra a presidente Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.