Ministro do TSE elogia Marina, mas considera aprovação da Rede 'muito difícil'

Em entrevista, Marco Aurélio Mello afirmou que 'todos se submetem às regras do jogo para a criação de partidos'

02 de outubro de 2013 | 15h42

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Marco Aurélio Mello afirmou que, na sua opinião, a falta de assinaturas para a criação do partido Rede Sustentabilidade torna a situação de Marina Silva muito difícil. "Sob a minha ótica, o que está na lei em termos de exigência consubstancia formalidade essencial para o registro. E todos se submetem às regras do jogo para criação de partidos políticos", afirmou.

O ministro acrescentou que Marina é um dos melhores quadros políticos do País, mas ressaltou que a lei vale para todos. "A ex-senadora forma no melhor quadro da República em termos de apego a princípios, em termos de ética, mas, em Direito, o meio justifica o fim e não o fim ao meio. O critério é linear para todos", afirmou.

O TSE deve julgar nesta quinta-feira, 3, o pedido de criação do partido. Pelos dados do tribunal, Marina Silva só conseguiu coletar 442.534 assinaturas. Desse total, 339.827 foram registradas nos cartórios eleitorais e 102.707 encaminhadas aos Tribunais Regionais Eleitorais. De acordo com a Lei Eleitoral, o mínimo exigido para criação de um partido são 492 mil apoiamentos.

Por conta disso, o vice-procurador eleitoral, Eugênio Aragão, deu parecer contrário à criação do partido de Marina Silva.

Tudo o que sabemos sobre:
MarinaTSEeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.