Roberto Jayme/Ascom/TSE
Roberto Jayme/Ascom/TSE

Ministro do TSE diz que mulher registrou agressão por 'desestabilidade emocional'

Admar Gonzaga disse que hematoma no olho da mulher aconteceu quando ela escorregou em 'enxaguante bucal' e bateu rosto na banheira

Carla Araújo e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2017 | 20h16

BRASÍLIA - O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga, enviou uma manifestação ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, para explicar as acusações de que teria agredido a mulher, Élida Souza Matos. De acordo com Admar, a mulher havia recebido a notícia de uma doença, bebido vinho sem se alimentar e uma crise de ciúmes acabou desencadeando a briga entre os dois.

"Não são fatos, mas a versão expressada por uma pessoa acometida de grave crise de ciúmes, e que havia degustado algumas taças de vinho a mais, sem o acompanhamento de adequada alimentação. Assim como agravante para a desestabilidade emocional, sucedeu-se a descoberta de doença autoimune, denominada esclerodermia, conforme já revelado em petição da própria requerente, muito atormentada pela exposição que estamos sofrendo", alegou Admar.

+++ 'Vagabunda', 'prostituta', 'quer acabar com minha carreira?'

O ministro também deu explicações para o hematoma do olho de sua esposa e disse que ela escorregou em um enxaguante bucal e bateu o rosto na banheira. "Tal lesão, pelo que me recordo, foi causada pelo tombo que se sucedeu ao escorregão que sofreu sobre o Listerine, e que a levou a bater com o rosto na banheira, mas jamais em face do alegado empurrão em seu rosto."

+++ Usa status de ministro para subjugar, diz enteada de Admar Gonzaga, do TSE

Admar confirmou que empurrou a mulher, mas disse que o fez em sua defesa e “que o movimento não foi empregado como meio deliberado de agressão”. O ministro anexou na manifestação fotos de seu rosto após suposta agressão de Élida. Segundo ele, seus movimentos foram “em minha própria defesa, com o rosto virado em proteção aos meus olhos, ou seja, sem enxergar a minha esposa, que investia com suas unhas contra meu corpo, o que meu causou muitas feridas e me deixaram marcas permanentes”, disse. “Algumas muito próximas ao meu olho direito, o que poderia ter resultado em algo bem mais grave e permanente, conforme comprovam os impressos fotográficos em anexo".

Em relação às supostas agressões verbais, o ministro disse que jamais dirigiria ofensas a qualquer mulher “muito menos àquela que sempre me dirigi como o amor da minha vida”. “De fato, ao ver aquela reação absolutamente descabida, desproporcional e distinta de todas as demais até então — me atacando com as unhas diretamente no rosto —, disse a ela que estava se comportando como uma mulher à toa, mas jamais disse que ela era uma prostituta ou algo semelhante", afirmou o ministro.

DENÚNCIA E RETRATAÇÃO

Élida chegou a registrar no dia 23 de junho um boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia contra o marido, por violência doméstica. Exibindo um ferimento no olho, ela relatou que tinha sido agredida física e verbalmente por Admar. Horas depois, no entanto, ao voltar para casa, decidiu fazer uma retratação. Por conta da Lei Maria da Penha, no entanto, o processo teve continuidade e tramita no STF, já que Admar tem foro privilegiado.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso de MelloAdmar Gonzaga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.