Estadão
Estadão

Ministro do TCU pede ao STF acesso à delação de Ricardo Pessoa

Delator informou que filho do presidente da Corte recebeu dinheiro para atuar em caso que estava sob relatoria de Raimundo Carreiro, que nega irregularidades

BEATRIZ BULLA, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2015 | 17h17

Brasília - O ministro Raimundo Carreiro, do Tribunal de Contas da União (TCU), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ter acesso à delação do dono da UTC, Ricardo Pessoa, homologada no tribunal na última semana. Carreiro alega ao Supremo que a imprensa noticiou ao longo do final de semana que o empreiteiro fez declarações que envolvem sua atuação na Corte de Contas e por isso quer acesso aos depoimentos.

O Estado informou que Pessoa disse que o advogado Tiago Cedraz recebia pagamentos de R$ 50 mil mensais para repassar à UTC informações do Tribunal de Contas. Tiago Cedraz é filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz e também teria sido contratado por R$ 1 milhão pela empreiteira para atuar em um caso que estava sob relatoria de Carreiro, relativo à Usina de Angra 3. A UTC integrava um consórcio interessado no contrato da usina e Carreiro votou pela continuidade do processo de licitação. O ministro alega ter agido "com todo o rigor técnico" que o caso exigia.

O pedido de acesso à delação foi encaminhado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Zavascki também recebeu na noite desta segunda uma nova solicitação de Tiago Cedraz com o mesmo pedido. Antes da homologação da delação de Pessoa, o advogado solicitou acesso aos trechos da investigação que mencionavam seu nome, mas teve pedido negado pelo ministro do STF. Agora, Cedraz argumenta que a "homologação do acordo, propalada pela imprensa, é circunstância que permite o acesso do conteúdo dos autos pela defesa".

Na sexta, os ministros da Comunicação Social, Edinho Silva, e da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) também pediram ao STF acesso ao conteúdo da delação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.