Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Ministro diz que Temer pediu esforço para ‘vencer o pessimismo’

Alberto Beltrame, do Desenvolvimento Social, relatou que presidente pediu para 'comunicar os números do governo'

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 20h37

BRASÍLIA - Após lançar campanha publicitária que admite o desgaste de seu governo e que suas ações vão demorar a ter efeitos perceptíveis pelos cidadãos, o presidente Michel Temer pediu nesta terça-feira, 19, que ministros façam alarde de números de sua gestão para “vencer o pessimismo”.

+ Coluna do Estadão: Governo vai dizer nas redes que herdou ‘batata quente’

O relato é do ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, escalado pelo Planalto para falar a jornalistas sobre o recado de Temer aos titulares da “área social” da Esplanada dos Ministérios. Segundo Beltrame, Temer citou a importância de “veicular e comunicar os números do governo”, durante reunião na tarde de terça.

Nos próximos seis meses e meio que restam na Presidência, Temer quer “mostrar resultados concretos que beneficiem o cidadão”, disse o ministro.

+ Em nova campanha, Temer vincula impopularidade à crise de governos passados

Beltrame negou, porém, que o governo esteja preparando campanhas publicitárias novas. “Nada diferente, não terá campanha de mídia, nada programado”. Na próxima segunda-feira, 25, o Ministério do Trabalho anunciará "resultados positivos” do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), exemplificou o ministro.

Beltrame disse que Temer orientou os ministros a ignorar as eleições e “não fez nenhuma encomenda fora da regularidade do trabalho”. “Nosso trabalho continua independente do calendário eleitoral. Nós temos programas para desenvolver, metas a atingir, e não anteciparemos nem postergaremos nada. Não temos impedimentos de fazer balanços, nem novas ações no período eleitoral.”

+ Temer vai reajustar valores de licitações em 50%

Temer convocou os ministros para alinhar ações interministeriais. Além de Beltrame, participaram Eliseu Padilha (Casa Civil), Alexandre Baldy (Cidades), Fernando Avelino (secretário executivo do Ministério do Esporte), Gustavo Rocha (Direitos Humanos), Helton Yomura (Trabalho), Rossieli Soares da Silva (Educação) Sérgio Sá Leitão (Cultura), Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional), Gilberto Occhi (Saúde) e Raul Jungmann (Segurança Pública).

Antes, Temer discutiu projetos de interesse do governo no Legislativo, como a cessão onerosa e a privatização das distribuidoras da Eletrobrás, com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o secretário de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, George Soares, e o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). 

+ Temer e Meirelles na torcida pelo Brasil

Em encontros individuais, ele recebeu líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), e os ministros Carlos Marun, Gustavo Rocha e Moreira Franco (Minas e Energia). O primeiro compromisso oficial de Temer no dia foi uma reunião com Eliseu Padilha  e Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional).

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.