Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Ministro diz que RS não irá solucionar crise enquanto passar responsabilidade para União

'Quando os gaúchos tiverem um projeto que coloque o Estado de pé, mesmo que seja num plano de dez, vinte anos, isso terá o apoio do governo federal', afirmou Eliseu Padilha

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2015 | 16h23

Porto Alegre - Em visita à capital gaúcha nesta sexta-feira, 28, o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), disse que não haverá solução para a crise financeira do Rio Grande do Sul enquanto o Estado tentar transferir uma responsabilidade que é local para a União. Nesta quinta-feira, o governo gaúcho informou que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) ingressou com uma ação cautelar junto ao Supremo Tribunal Federal para anular a cláusula do contrato da dívida com a União que prevê o bloqueio de recursos no caso de não pagamento da parcela mensal.

A punição foi aplicada neste mês. O objetivo é evitar novos congelamentos, pois o Executivo gaúcho deverá continuar destinando o dinheiro disponível em caixa ao pagamento dos servidores. O ministro, que é natural do RS, não comentou a decisão do RS de acionar a Justiça. Ele disse apenas que a busca por uma resolução para a crise nas finanças passa por uma mudança de postura dos gaúchos.

"Quando os gaúchos tiverem um projeto que coloque o Estado de pé, mesmo que seja num plano de dez, vinte anos, isso terá o apoio do governo federal, não tenho dúvida nenhuma. Enquanto nós tentarmos transferir o que é local para a União não tem solução, porque o problema é do Rio Grande do Sul, é de Goiás, é de Alagoas, não tem solução para todos", disse.

Ele disse que o bloqueio de recursos em caso de não pagamento da dívida não é uma posição do governo federal. "Tem um contrato e quando a gente não cumpre o contrato tem algumas condições que devem ser implementadas. No caso do Rio Grande do Sul, a esperança que a gente tem é que se tenha algum tempo a mais para que se possa corrigir dentro do próprio mês essa deficiência (de pagamento) dos primeiros dias. Todas as vezes nós passamos do prazo e sempre teve um tempinho a mais, nós não podemos é abusar deste tempinho a mais", avaliou.

Padilha afirmou que o governo vai regulamentar a lei de renegociação das dívidas dos Estados com a União, o que é uma das principais reivindicações do Rio Grande do Sul, pois abriria uma janela fiscal para que o Estado tomasse novos empréstimos. "Agora não vamos esquecer que o governo federal também luta com a necessidade de ajuste fiscal. Portanto, não vamos sonhar que vamos ter algum recurso extra do governo federal neste momento", argumentou o ministro.

O governador José Ivo Sartori (PMDB), que estava ao lado de Padilha, disse que ninguém gostaria que a crise estadual tivesse tomado esta proporção. Ele não revelou como será o calendário de pagamento do funcionalismo este mês. Como as contas do Estado não tem recursos suficientes, deverá haver um novo parcelamento de salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.