Ministro diz que greve não afetará vestibular nem formatura

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, disse, neste domingo, que a greve dos professores das universidades federais não vai impedir a realização de vestibulares nem levará à perda do segundo semestre letivo.Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, ele defendeu o pacote antigreve lançado pelo governo e informou que está chamando cada reitor para assegurar a normalidade das atividades de ingresso e formatura de estudantes.?Apesar dos problemas, garanto que encontraremos uma solução?, afirmou o ministro, garantindo que ?várias? universidades já têm data marcada para a retomada das aulas, apesar da greve, que esta semana completará três meses.Paulo Renato admitiu que o projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso, prevendo o reajuste de até 34% na Gratificação de Estímulo à Docência, atende apenas ?parcialmente? às reivindicações da categoria.?O Ministério da Educação concorda que há distorções salariais?, disse, ressalvando que há limites para os gastos públicos. Ele criticou os professores por demorarem a dar resposta ao MEC durante a negociação, o que teria levado à perda de recursos no Orçamento de 2002 em discussão no Congresso.O ministro disse que, tão logo termine a paralisação, o governo vai realizar amplo debate sobre a autonomia universitária, ponto que praticamente não saiu da agenda de intenções durante os quase sete anos de governo do presidente Fernando Henrique Cardoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.