Ministro determina que PF investigue ameaça a Delcídio

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, determinou que a Polícia Federal investigue a ameaça de morte feita por carta anônima ao presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS) e sua família. Bastos ouviu o relato da ameaça e pediu a Delcídio que encaminhe a carta à PF junto com uma representação detalhando os riscos do senador e de sua família, a fim de que seja analisado o tipo de proteção especial a ser determinado.A carta, recebida na manhã desta quarta-feira pela mulher do senador, Márcia, na residência da família, em Campo Grande, será periciada pelo Instituto Nacional de Criminalística (INC) em busca de pistas do autor, como impressões digitais. Pela descrição de Delcídio, o autor é alguém que conhece a família. O presidente da CPI classificou como "repugnante", "absurda" e "lamentável" a carta.Ele pediu imediatamente reforço para a segurança de sua família à Polícia Militar do MS. Emocionado, Delcídio comentou que sua mulher leu a carta por telefone. "É uma carta duríssima. Como pai, tenho vergonha de ler a carta. Faz ameaças de forma chula a mim e a minha família. A carta é de alguém que conhece a minha rotina e a rotina da minha família. Uma pessoa dessas não merece ser feliz. É repugnante, lamentável, um verdadeiro absurdo. Estou ameaçado, mas não intimidado", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.