Ministro descarta cobrança em universidade

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, rejeitou hoje a sugestão de técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI), contida em relatório, de que deveriam ser cobradas mensalidades nas universidades públicas. "É um absurdo. Não me consta que eles (FMI) tenham especialistas em educação. Eles têm que cuidar do sistema financeiro. Da educação deixa que a gente cuida, melhor do que eles", afirmou. Paulo Renato disse também que não há nenhuma discussão sobre esse assunto no governo federal. "Não é a política do presidente Fernando Henrique Cardoso. O assunto está encerrado." Paulo Renato, que participou da solenidade realizada no Palácio dos Bandeirantes, hoje pela manhã, se reuniu com o governador Mário Covas. O ministro disse que Covas está bem e que os dois conversaram sobre vários assuntos, entre eles política estadual e federal. "Foi uma conversa de velhos amigos, velhos companheiros, falamos de tudo." O ministro, entretanto, evitou fazer comentários sobre a sucessão paulista. Na opinião de Paulo Renato, o governador em exercício Geraldo Alckmin é um nome a ser prestigiado, enquanto estiver a frente do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.