Ministro defende um organismo multilateral para internet

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, criticou nesta quinta-feira, 11, a forma como a internet é regulada internacionalmente, por meio de um órgão sediado na Califórnia e sujeito às regras do Estado norte-americano. "A governança da internet está muito mal colocada internacionalmente. Defendemos que a internet seja governada por um organismo multilateral, e não centralizada nos EUA", disse Bernardo em audiência pública conjunta das comissões de Relações Exteriores e Ciência e Tecnologia do Senado.

EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 11h12

O ministro comentou que notícias a respeito de monitoramento e interceptação de dados são divulgadas há muito tempo pelos veículos de comunicação, mas a novidade seria o fato do ex-técnico da CIA Edward Snowden ter rompido com esse sistema e feito denúncias.

"Essa é uma oportunidade para o Brasil e todo o mundo ter conhecimento desses fatos. Não podemos deixar de ficar indignados com essa xeretagem em nível mundial. Não é anormal que Estados mantenham segurança nas redes, mas não é aceitável invadir a privacidade dos cidadãos", disse .

Bernardo citou ainda uma conversa com autoridades norte-americanas no fim do ano passado, onde elas teriam dito que um organismo multilateral abriria espaço para que governos de alguns países "bisbilhotassem" seus cidadãos. "O triste é que, apenas seis meses depois disso, ficamos sabemos que os próprios americanos têm feito isso nos últimos anos."

Tudo o que sabemos sobre:
espionagemBernardo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.