Ministro defende mais cursos profissionalizantes

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, e o governador em exercício de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defenderam hoje mais investimentos dos governos federal e estadual na criação de cursos profissionalizantes. Alckmin admitiu que a demanda para estes cursos é maior do que a atual infra-estrutura. Os dois participaram da solenidade de início das obras do Centro de Formação Profissional de Guaianazes, na zona leste de São Paulo. A escola começará a funcionar em 2002 e oferecerá 1.400 vagas, 840 em 29 cursos de nível básico e 560 para o nível técnico, nas áreas de edificações, administração, nutrição e eletrônica. O investimento será de R$ 2 milhões. De acordo com o diretor-executivo do Programa de Expansão de Educação Profissional do MEC (Proeps), Raul do Valle, atualmente existe uma demanda maior para cursos de funções operacionais do que universitários. Segundo ele, prova disso foi a explosão de procura registrada na Escola de Educação Profissional Professor Hélio Augusto de Souza, inaugurada em 2000, em São José dos Campos (SP). Na primeira seleção, mais de 11 mil pessoas concorreram a 620 vagas. "Na segunda seleção, houve 13 mil candidatos", declarou Valle, destacando que um curso técnico pode garantir emprego ao estudante de forma mais rápida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.