AFP Photo|Evaristo Sa
AFP Photo|Evaristo Sa

Ministro da Justiça sugere que dinheiro do fundo eleitoral vá para segurança pública

Câmara dos Deputados discute proposta de criação de um fundo público para financiamento de campanhas eleitorais; na semana passada, foi derrubado o valor do fundo, que era de R$ 3,6 bi

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2017 | 20h35

RIO - O ministro da Justiça, Torquato Jardim, criticou nesta quarta, 30, a criação de um fundo público de R$ 3,6 bilhões para bancar as campanhas eleitorais de 2018, apresentada no Legislativo, e sugeriu que esse dinheiro seja investido em segurança pública.

“Se pode fazer um fundo eleitoral de R$ 3,6 bilhões, pode fazer um de segurança pública de R$ 3,6 bilhões. Ou então vamos rachar isso ao meio”, afirmou o ministro, durante evento promovido pelos jornais O Globo e Extra.

+ Sem acordo na Câmara, Senado debate ‘plano B’

A Câmara dos Deputados discute a criação do fundo para bancar as campanhas eleitorais. Na quarta-feira, 23, os parlamentares retiraram do texto do projeto a previsão de que ele seria composto por 0,5% da receita corrente líquida do governo federal. Esse valor, correspondente a R$ 3,6 bilhões, foi considerado muito alto, era alvo de críticas de diversos setores da sociedade.

Jardim defendeu a criação de um sistema único de segurança pública, nos moldes do Sistema Único de Saúde (SUS), e afirmou que a Força Nacional de Segurança Pública precisa sofrer mudanças em sua organização.

“Ela não pode ser formada por voluntários, como acontece hoje, em que eles não têm gratificação. Recebem diárias, e há uma diferença brutal entre os Estados”, afirmou.

Criada pelo governo federal em 2004, a Força Nacional é composta por voluntários das Polícias Militares estaduais. Eles são pagos com diárias referentes apenas aos dias em que trabalharam. O valor conforme o local da missão. Varia de pouco menos de R$ 180 a quase R$ 225.

Durante o evento, um debate sobre segurança durante o seminário “Reage, Rio!”, promovido, o ministro defendeu a operação especial de segurança realizada no Rio de Janeiro desde julho, com a participação das Forças Armadas, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, além das polícias Civil e Militar.

Segundo o ministro, de 10 de julho a 27 de agosto houve 2.706 prisões em flagrante ou de foragidos nas rodovias de acesso ao Estado do Rio. Foram apreendidas 6,6 toneladas de maconha e 1,5 tonelada de cocaína e crack, além de 179 armas. Foram recuperados 490 veículos que haviam sido roubados.

O ministro disse que não faltarão verbas para a operação, chamada Rio Quer Segurança e Paz e prevista para ocorrer até o fim do ano, com extensão já anunciada até dezembro de 2018. Segundo ele, estão reservados mensalmente R$ 40 milhões para a Polícia Rodoviária Federal e R$ 70 milhões para a Polícia Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.