Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Ministro da Justiça se reúne com Janot às vésperas de pedido de investigação contra políticos

Expectativa é de que procurador-geral da República envie nos próximos dias ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de apuração de parlamentares citados na Operação Lava Jato

Talita Fernandes, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2015 | 11h26

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, informou nesta quinta-feira, 26, que se reuniu com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na noite de dessa quarta, no gabinete do Procurador. Cardozo negou, contudo, que o encontro tenha sido usado para discutir os desdobramentos da Operação Lava Jato. Segundo ele, a conversa foi sobre um pacote de medidas legislativas para combate à corrupção.


O encontro não constou das agendas oficiais de nenhuma das autoridades. Ao fim de um evento com secretários de Segurança Pública do País na manhã de hoje, Cardozo disse há pouco que a reunião já havia sido marcada há algum tempo para tratar de "medidas legislativas de combate à corrupção", uma das promessas de campanha da presidente Dilma Rousseff. "Eu estou preparando um conjunto de medidas por determinação da presidente da República acerca do enfrentamento da corrupção e uma delas, que já tinha sido objeto de uma conversa anterior com o doutor Rodrigo Janot, ao menos sinalizada, diz respeito a uma atividade comum entre o Executivo e o Ministério Público Federal", declarou o ministro.

Cardozo disse que Janot o procurou na tarde de ontem, dizendo que teria disponibilidade para o encontro, que ocorreu por volta das 19h30 no gabinete do procurador. "Nós não tratamos de Lava Jato. Eu e o doutor Rodrigo Janot apenas conversamos sobre as linhas gerais dessa situação", declarou. 


A reunião entre Cardozo e Janot acontece menos de um mês após o ministro ter recebido advogados da construtora Odebrecht, citada no escândalo que envolve a Petrobrás. Além disso, a expectativa é de que Janot envie nos próximos dias ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de investigação de parlamentares citados na Operação Lava Jato. No início da semana, a previsão era de que os pedidos de abertura de inquérito ou oferta de denúncia chegassem até sexta-feira, agora o governo começa a trabalhar com o prazo de segunda ou terça-feira, embora Janot viesse falando que pretendia concluir o trabalho da procuradoria até o fim de fevereiro. 


*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.