Ministro da Justiça pede apuração sobre vazamento envolvendo Jaques Wagner

José Eduardo Cardozo determinou que a PF abra inquérito para investigar a divulgação das mensagens trocadas entre o ministro-chefe da Casa Civil e o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro

Isadora Peron e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2016 | 19h58

BRASÍLIA - O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou, nesta quinta-feira, 7, que a Polícia Federal abra um inquérito para investigar a divulgação das mensagens trocadas entre o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro.

Segundo o ministro, a investigação sobre o assunto está protegida por sigilo legal e, portanto, a divulgação dessas informações configura crime. Para tomar a decisão, Cardozo solicitou informações sobre as circunstâncias do vazamento das mensagens para Polícia Federal.

“Em todos os casos em que houver vazamento ilegal eu determino a abertura de inquérito policial, porque haverá sempre a ocorrência de um crime”, disse ao Estado.

O conteúdo das mensagens trocadas entre Wagner e Léo Pinheiro foi revelado pelo Estado nesta quinta e apontou para a negociação entre o então governador da Bahia por apoio financeiro ao candidato à prefeitura de Salvador em 2012, Nelson Pellegrino (PT), bem como pedidos de intermediação de Wagner junto o governo federal a favor da empreiteira.

O ministro da Justiça defendeu o comportamento do colega e disse ter certeza que ele não praticou nenhuma ilegalidade. "Conheço Jaques Wagner há muitos anos. Tenho absoluta convicção da sua lisura e comportamento", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.